2 de novembro de 2016

RESENHA: O MEDO MAIS PROFUNDO - Harlan Coben (Ed. Arqueiro)



Olá, queridos!

Hoje vim falar sobre O MEDO MAIS PROFUNDO do HARLAN COBEN, lançado pela editora ARQUEIRO.

O Medo Mais ProfundoO MEDO MAIS PROFUNDO
HARLAN COBEN
Editora: ARQUEIRO
Ano: 2016
Nº págs: 272
Gênero: Policial, Suspense

SINOPSE: Na época da faculdade, Myron Bolitar teve seu primeiro relacionamento sério, que terminou de forma dolorosa quando a namorada o trocou por seu maior adversário no basquete. Por isso, a última pessoa no mundo que Myron deseja rever é Emily Downing. Assim, ele tem uma grande surpresa quando, anos depois, ela aparece suplicando ajuda. Seu filho de 13 anos, Jeremy, está morrendo e precisa de um transplante de medula óssea – de um doador que sumiu sem deixar vestígios. E a revelação seguinte é ainda mais impactante: Myron é o pai do garoto. Aturdido com a notícia, Myron dá início a uma busca pelo doador. Encontrá-lo, contudo, significa desvendar um mistério sombrio que envolve uma família inescrupulosa, uma série de sequestros e um jornalista em desgraça. Nesse jogo de verdades dolorosas, Myron terá que descobrir uma forma de não perder o filho com quem sequer teve a chance de conviver.

Juro que pensei que chegaria aqui e falaria mal desse livro, afinal, quem acompanha o blog sabe que já nutri um amor profundo pelo COBEN, mas que ultimamente andava bem decepcionada com o autor e sua eterna mesmice nos livros. Tudo parecia um repeteco, nada era diferente e Myron já estava até me irritando por jamais ter uma mudança de postura, algumas vezes até achei ter lido algumas frases em outros livros. Sim, estava aborrecida com o autor e solicitei O MEDO MAIS PROFUNDO até com certo desgosto, afinal, achei que ele seria o ponto final do meu relacionamento com COBEN, mas fui surpreendida!

Gente, assumo, ADOREI esse livro! Ok, não gostei de a sinopse ter entregado logo sobre quem era o pai do garoto, mas isso é revelado logo nas primeiras páginas, então não foi feito um estrago na leitura, o que gostei foi de ter me divertido mesmo com o enredo comum de pessoa desaparecida que o autor SEMPRE apresenta.

Aqui temos um doador desaparecido, mas, mais que ir atrás dele, Myron também está atrás de um serial killer, e foi essa a parte da história que me cativou. Sim, eu gosto de serial killers e não há outra forma de correr atrás deles que não seja procurando-os, portanto, dessa vez perdoei COBEN pela mesmice de ter alguém desaparecido.

Gostei da pitada de drama que foi colocada à trama, gostei de ver o emocional do Myron abalado, gostei de vê-lo em uma busca frenética tanto para encontrar o doador como para encontrar o assassino, gostei de fazer as pazes com COBEN, não que não vá continuar com os pés atrás, mas me senti extremamente feliz por ainda não descartar o autor, uffa!!!


Sim, tiveram elementos de que não gostei, mas não vou poder citar aqui porque seriam spoilers, mas tudo bem, deixo passar porque finalmente Myron conseguiu me conquistar e me deixou satisfeita. Para quem, assim como eu, andava meio de saco cheio do COBEN e seus eternos desaparecimentos, O MEDO MAIS PROFUNDO pode ser uma chance de reaproximação. Gostei ;) Confiram!


28 de outubro de 2016

RESENHA: O MORCEGO - Jo Nesbo (Ed. Record)



Olá, pessoal!

Hoje vou falar sobre O MORCEGO do JO NESBO, lançado pela editora RECORD.

O MorcegoO MORCEGO
JO NESBO
Editora: RECORD
Ano: 2016
Nº págs: 350
Gênero: Policial, Suspense, Thriller

SINOPSE: Do submundo de Sydney às lendas aborígines, Jo Nesbø conduz o leitor por uma trama violenta e eletrizante, no primeiro grande caso de Harry Hole. O corpo de uma jovem norueguesa é encontrado em um rochedo no fundo de um penhasco. O caso intriga a polícia: a vítima apresenta sinais de estrangulamento e suspeita-se de violência sexual, mas não há qualquer vestígio de DNA ou impressão digital do criminoso. Para colaborar com as investigações, a Divisão de Homicídios da Noruega envia o inspetor Harry Hole à cidade. Junto com o policial Andrew Kensington, Harry se depara com um caso mais complexo do que imagina: o que inicialmente parecia ser um crime isolado é apenas mais um em uma série de assassinatos cometidos por todo o país, sem qualquer relação aparente entre si. Um serial killer está à solta na cidade e, para Harry, a caçada começou.

Quem acompanha o blog sabe o quanto gosto do NESBO, mas confesso quase ter tido uma síncope quando a RECORD anunciou o lançamento de O MORCEGO, não, não foi por ser um novo livro do autor, e sim por ser O PRIMEIRO CASO do detetive HARRY HOLE! Galera, eu ADORO o Hole e fiquei em êxtase ao saber que esse era seu primeiro caso.

Confesso, apesar de a premissa policial ser fantástica, intrigante e fabulosa, minha atenção estava na vida de Hole, afinal, em todos os demais volumes fala-se muito sobre o alcoolismo do protagonista, até torrando o saco do leitor em alguns momentos de tanto que isso é repetido, mas ter acesso de como se deu esse seu vício... OMG! Foi fabuloso! Sim, dei mais atenção a vida pessoal do protagonista que a sua investigação, afinal, como detetive sei que ele é grandioso, inteligente e sempre dá “pitacos” certos, ou quase certos no caso desse livro, mas conhecer o protagonista em seu começo, em suas angústias, em todo seu sofrimento e motivos para sua derrocada, para mim não teve preço. Foi como conhecer o passado da vida de alguém que há muito faz parte da minha mas que relutava em revelar seus segredos mais profundos.

Ao tomar conhecimento do passado de Harry, lembrei-me de alguns momentos em que me senti meio de saco cheio com a repetição de NESBO ao falar do alcoolismo do personagem e me senti até mal comigo mesma, afinal, ele tem motivo para se sentir péssimo. O engraçado é que mesmo agora, tendo conhecimento desse seu passado e de sua culpa, ainda continuo amando o personagem e o considerando um dos maiores exemplos de bons investigadores da literatura policial. Harry ganhou minha adoração e sinto que é tarde demais para mudar isso.

Claro, não vou deixar vocês às cegas em relação aos crimes, que são muito bem elaborados e até medonhos. Durante muitas páginas apostei em um determinado personagem, suspeitei e desconfiei dele, mas, mais que isso, DESEJEI que ele fosse o culpado, apenas por ser uma coisa meio Freud explica. Porém, quando se revelou o verdadeiro culpado, fiquei meio atônita, pois em momento algum havia desconfiado! E sabem aquela coisa que eu digo que detesto em livros policiais? Aquilo de o autor nos conduzir a um caminho durante todo o livro e depois arrumar uma “desculpa” mirabolante para por a culpa em outro só para não permitir que o leitor não adivinhe? Pois é, não foi o caso aqui, NESBO dá pistas do assassino sim, porém meu foco estava tão grande em outro personagem que sequer pensei na possibilidade de suspeitar de mais alguém. Para quem for ler, e gostar de bancar o detetive, uma dica: mantenha a mente aberta quanto ao assassino, não pré-julgue e não deseje que seja uma coisa determinada, dessa forma, sua brincadeira de tentar ser Harry Hole surtirá mais efeito e o culpado se revelará.


Quem nunca leu nada do NESBO, essa é a chance de conhecer e começar pelo início de tudo. Leiam, conheçam, e se tornem fãs, tanto quanto eu! NESBO é vida! <3



26 de outubro de 2016

RESENHA: UNI-DUNI-TÊ - M.J. Arlidge (Ed. Record)



Olá, pessoal!

Hoje vim falar de um thriller FANTÁSTICO: UNI-DUNI-TÊ do M.J. ARLIDGE, lançado pela editora RECORD.

Uni-Duni-TêUNI-DUNI-TÊ
M.J.ARLIDGE
Editora: RECORD
Ano: 2016
Nº págs: 322
Gênero: Policial, Suspense, Thriller

SINOPSE: Um assassino está à solta. Sua mente doentia criou um jogo macabro no qual duas pessoas são submetidas a uma situação extrema: viver ou morrer. Só um deverá sobreviver. Um jovem casal acorda sem saber onde está. Amy e Sam foram dopados, capturados, presos e privados de água e comida. E não há como escapar. De repente, um celular toca com uma mensagem que diz que no chão há uma arma, carregada com uma única bala. Juntos, eles precisam decidir quem morre e quem sobrevive. Em poucos dias, outros pares de vítimas são sequestrados e confrontados com esta terrível escolha. À frente da investigação está a detetive Helen Grace, que, na tentativa de descobrir a identidade desse misterioso e cruel serial killer, é obrigada a encarar seus próprios demônios. Em uma trama violenta que traz à tona o pior da natureza humana, Grace percebe que a chave para resolver este enigma está nos sobreviventes. E ela precisa correr contra o tempo, antes que mais inocentes morram.

Solicitei UNI-DUNI-TÊ por ser thriller da RECORD e eu gostar de ler todos os que a editora lança, mas confesso que tive os dois pés atrás com o livro. Já li um livro da editora com essa premissa meio parecida com JOGOS MORTAIS e simplesmente detestei. Portanto, não tive expectativa alguma em relação à leitura, nem ânsia de me jogar nela, e, provavelmente, tenha sido exatamente esse o motivo pelo qual fui fisgada pelo enredo incrível e personagens cativantes que ARLIDGE criou.

Tudo no livro foi fantástico! O sequestro das duplas foi algo de tirar o fôlego e a reação deles com o que tinham de fazer para sobreviver foi ainda melhor. Muitas cenas foram fortes e cheias de dor, mas também cheias de angústia, sendo o sofrimento dos personagens capazes de nos fazer sentir terror, e de suas atitudes, em busca da sobrevivência, revirarem nosso estômago.

A detetive foi algo ímpar! Faz tempo que não leio um livro policial com uma detetive que me agrade tanto, que tenha uma história de vida tão interessante, que esconda segredos tão misteriosos e que acalente minha ânsia por justiça.

Os demais investigadores também foram fantásticos, afinal, livro policial que se preze não se sustenta com apenas um detetive, é preciso um grupo, uma equipe que desvende os crimes, e todos cumpriram muito bem seu papel.

Quanto ao assassino, galera, SOBERBO! Há muito leio livros policiais e há muito pedia por um assassino como este. ARLIDGE leu meus pensamentos e pôs no papel meu maior desejo; fiquei de boca aberta quando se revelou o criminoso, seus mistérios e seus motivos, mas, principalmente, quando se revelou sua identidade. Preciso URGENTE encontrar alguém que tenha lido o livro para falar sobre esse vilão fabuloso que roubou as páginas e tomou para si a trama.


UNI-DUNI-TÊ é apenas o primeiro livro de uma série com a detetive Helen Grace à frente, e eu, claro, quero ler todos os demais que vierem, afinal, há muito quero uma protagonista como Grace, e depois das revelações desse primeiro livro, quero muito saber como será a vida da personagem de agora em diante e como suas estruturas emocionais serão abaladas pelo ocorrido. Livro soberbo! Fãs de policiais não podem perder ;) Já vamos começar uma campanha para que a RECORD não demore a trazer os outros 4 volumes que já saíram lá fora <3 Quero a série completa! Favoritado, claro <3



21 de outubro de 2016

RESENHA: AS ESFERAS DO PODER - William C. Gordon (Ed. Record)



Olá, galera!

É com grande empolgação que hoje venho falar sobre AS ESFERAS DO PODER do WILLIAM C. GORDON, lançado pela editora RECORD.

As Esferas do PoderAS ESFERAS DO PODER
WILLIAM C. GORDON
Editora: RECORD
Ano: 2016
Nº págs: 252
Gênero: Drama, Suspense, Thriller

SINOPSE: Dois estranhos incidentes assombram São Francisco. Mas talvez eles não sejam apenas incidentes Nos anos 1960, dois funcionários de uma indústria química sofrem uma grave intoxicação ao limparem um de seus tanques. Apenas um deles sobrevive, mas seu estado de saúde é crítico. Enquanto isso, em Chinatown, vinte e dois idosos do bairro morrem de forma inesperada e, segundo a perícia forense, todos eles beberam água mineral da mesma marca. Nas garrafas, uma quantidade mortal de arsênico. A princípio, o único elo entre esses acontecimentos é Samuel Hamilton, jornalista que está apurando os dois casos. Em sua busca pela verdade – e por um novo furo de reportagem –, ele irá se deparar com um complexo quebra-cabeça que revela uma rede de intrigas e lutas pelo poder na cidade.

Nunca havia ouvido falar no autor e solicitei o livro por pura curiosidade pela sinopse. Gostei a mistura de trama jornalística e política e achei que teria em mãos um livro com grandes críticas sociais. Ponto para mim, acertei em cheio, mas jamais esperei encontrar o suspense e os assassinatos que estariam nas páginas.

Em uma trama rica, com vários enlaces, muitas nuances, e diversos personagens inteligentes, ambiciosos, perigosos e heróicos, GORDON me levou a uma verdadeira viagem ao poder que o homem detém em suas mãos. O autor foi exemplar ao explorar a ambição humana, aonde ela pode chegar e os limites que as pessoas são capazes de ultrapassar em nome dessa ambição desenfreada, desejo de poder e dinheiro.


Fiquei assombrada com a quantidade de diferentes personalidades que o autor conseguiu abordar, e com o quão conseguiu deixá-las ricas, sejam em face do bem e da justiça ou do mal e suas facetas. GORDON foi um autor que me surpreendeu muito. Nunca havia lido nada do autor e confesso nem ter imaginado encontrar um suspense nas mãos, achei que seria apenas um livro crítico, mas agora virei fã da escrita do homem. A RECORD tem outros 4 livros dele lançados, e tenho necessidade urgente de tê-los em minha coleção. O autor me impressionou de verdade e me deixou bastante curiosa para ler tudo o que já escreveu. Um talento que me conquistou! Já virei fã do GORDON. Alguém já leu algo do autor?


19 de outubro de 2016

RESENHA: DOADORES DE SONO - Karen Russell (Ed. Record)



Olá, pessoal!

Hoje é dia de falar de um livro que me deixou um tantinho decepcionada: DOADORES DE SONO, da KAREN RUSSELL, lançado pela editora RECORD.

Doadores de SonoDOADORES DE SONO
KAREN RUSSELL
Editora: RECORD
Ano: 2016
Nº págs: 168
Gênero: Drama

SINOPSE: Uma epidemia assola os Estados Unidos. Milhares de pessoas perdem a capacidade de dormir. Conheça a Corpo do Sono, uma organização que persuade sonhadores saudáveis a fazer doações para os insones. Sob o comando dos enigmáticos irmãos Storch, o alcance da Corpo do Sono só cresce, e ela já está presente nas principais cidades americanas. Trish Edgewater, cuja irmã, Dori, foi uma das primeiras vítimas da insônia letal, há sete anos recruta doadores para a organização. Mas sua crença na empresa e nas próprias motivações começa a vacilar quando ela é confrontada com a Bebê A, a primeira doadora universal, e com o misterioso e maligno Doador Q.

Quando li a sinopse não fiquei muito interessada, mas quando vi que o mestre KING estava indicando, resolvi solicitar. Devia ter pensado melhor, lembrado que nos últimos tempos li dois lançamentos indicados pelo mestre e não gostei. Dessa vez não foi diferente, acho que meu gosto não bate mais com o dele :S

A história em si é bem interessante, as alegorias que o livro traz também, mas apesar das poucas páginas e fonte enorme, achei ele extremamente repetitivo, daria conta de passar o recado tranquilamente em 80/100 páginas. O começo me atraiu muito, mas como disse, depois passou a soar repetitivo, e aí dei uma desanimada completa em relação a premissa. O final também não me atraiu, pois já estava achando tudo tão maçante que não consegui me surpreender.


A personagem principal, que no começo me comoveu, ficou chata e tediosa, tal qual o livro todo, e me vi terminando de ler apenas por ser um livro de parceria, caso contrário, teria abandonado. Mais uma vez repito: por causa da repetição! Todo o meu desgosto em relação a obra girou em torno dessa maldita repetição desnecessária em explicar sobre o sono, a falta de sono, o que acontecia, a morte da irmã da protagonista... Repeteco é uma coisa que me lembra encher linguiça, e acaba me irritando horrores! Repetir algumas coisas em um livro de 500 páginas, por exemplo, é algo que passa, afinal, muito se deixou para trás, mas em um livro de 166 páginas e fontes enormes, torna-se desnecessário, é como se a autora achasse que a falta de sono também me afetava e que não conseguia lembrar o que havia lido anteriormente, o que não foi o caso, já que é uma leitura de 3, no máximo 4 horas. Não gostei, pronto, falei :S


17 de outubro de 2016

CAIXA DE CORREIO #267



Boa noite, pessoal!


Vamos para mais uma CAIXA DE CORREIO!

LI NA SEMANA QUE PASSOU:
Semana passada consegui ler todos os livros que pretendia:


1.      O MORCEGO – Jo Nesbo (Ed. Record).
NOTA NO SKOOB: 5 estrelas
Segunda terminei O MORCEGO. Livro incrível do JO NESBO e que me fez salivar por mais e mais livros dele. Tomara que a RECORD relance os demais com esse padrão lindo das capas.  A resenha vai ao ar na última semana de outubro ;)

2.   O MEDO MAIS PROFUNDO – Harlan Coben (Ed. Arqueiro).
NOTA NO SKOOB: 4 estrelas
Na terça fiz as pazes com HARLAN COBEN! \o/ Andava mega desanimada com a mesmice do autor, mas fiquei bem satisfeita com esse livro. A resenha já está prontinha e na primeira semana de novembro vai ao ar, aguardem!

3.     A SANTA ALIANÇA – A.J. Kazinski (Ed. Tordesilhas)
NOTA NO SKOOB: 3 estrelas
Quarta, quinta, sexta e sábado fiquei embromando com a leitura de A SANTA ALIANÇA. Não é que não tenha gostado, mas fiquei esperando o protagonista dos livros anteriores e fiquei um tantinho decepcionada por não tê-lo nas páginas, e ainda mais com a morosidade dos fatos. MUITO do que estava escrito achei desnecessário e descartável. A nota ficou mesmo pelas informações históricas sobre a monarquia da Dinamarca, que foram incríveis, mas espero sinceramente que o próximo livro da dupla a chegar a nós tenha o Niels Bentzon como protagonista.

4.      SERIAL KILLERS: MADE IN BRAZIL – Ilana Casoy (Ed. Darkside Books)
NOTA NO SKOOB: 3 estrelas
De quarta até sábado intercalei essa leitura com a de A SANTA ALIANÇA. Fiquei um tantinho decepcionada. Gostei mais dos livros com os assassinos estrangeiros, por algum motivo não fiquei muito satisfeita com o que foi apresentado sobre os brasileiros, apenas um ou outro me chamou atenção e foram em determinados momentos também, achei muito do que foi descrito arrastado e a história de vida sempre sofrida na infância uma forma de querer justificar atrocidades. Sei lá, gostei mais de LOUCO OU CRUEL?


PRETENDO LER E/OU COMEÇAR ESSA SEMANA:
Na verdade comecei ambos ontem:



1.      OS MELHORES CONTOS DE MEDO, HORROR E MORTE – Org. Flávio Moreira da Costa (Ed. Nova Fronteira).
Nesse mês de outubro não poderia faltar um horrorzinho, e dei início a esse que está na minha lista de projetos de contos ontem à noite. Pretendo lê-lo essa semana.

2.      OBSESSÃO – Tara Moss (Ed. Fundamento).
Esse faz parte dos 20 livros policiais que quero ler em 2016. Ano passado li o primeiro volume da série e ontem, finalmente, comecei o 2º.


Como essa semana irei fazer hora extra todos os dias, coloquei como meta para semana apenas finalizar esses dois livros. Espero conseguir. E vocês, quais planos fizeram?



13 de outubro de 2016

INDICAÇÃO: AS MENTIRAS QUE AS MULHERES CONTAM - Luis Fernando Veríssimo (Ed. Objetiva)



Boa noite, pessoal!

Quinta-feira é dia de INDICAÇÃO, e hoje vim falar sobre AS MENTIRAS QUE AS MULHERES CONTAM do LUIS FERNANDO VERÍSSIMO, lançado pela editora OBJETIVA.

As Mentiras que as Mulheres ContamAS MENTIRAS QUE AS MULHERES CONTAM
LUIS FERNANDO VERÍSSIMO
Editora: OBJETIVA              
Ano: 2016
Nº págs: 176
Gênero: Crônicas

SINOPSE: Tudo começa com a mãe, com o “Olha o aviãozinho!” à mesa do almoço. É a mentira inaugural, que vai se desdobrando em outras ao longo da vida. Mas calma lá. Nem sempre a ideia é disfarçar um caso ou ocultar um segredo. Por vezes são apenas eufemismos, ambiguidades, desculpas educadas — tudo com o objetivo um pouco mais nobre de preservar a harmonia social.  Nesta coletânea de crônicas aparecem, por exemplo, a senhora que tenta enganar a si mesma fazendo uma plástica atrás da outra e a moça que mente a idade — para mais! — apenas para ouvir que ainda está nova. Há dramas, comédias, tragicomédias — e até histórias que terminam em tragédia. Mas tudo permeado pelo humor irresistível de Veríssimo.

Sou suspeita para falar do VERÍSSIMO, pois o adoro com todas as forças. AS MENTIRAS QUE OS HOMENS CONTAM é um de meus preferidos do autor e o que mais acho engraçado, por isso, quando soube do lançamento de AS MENTIRAS QUE AS MULHERES CONTAM, fiquei alucinada para conferir.

VERÍSSIMO nos insere desde a primeira mentira que ouvimos das mulheres, olha o aviãozinho, até mentiras mais graves, para enganar o marido ou amigos. Cada crônica uma gargalhada, e aquelas em que não gargalhamos, nos levam a reflexões de como pequenas e bobas mentiras podem se tornar algo grande e causar impacto ainda maior.

Acompanhem as mentiras das nossas mães, tias, irmãs, primas, amigas, inimigas... DIVIRTAM-SE e cuidado quando virem bolsas Vuitton, hahahahha.







12 de outubro de 2016

RESENHA: A COLÔNIA - Ezekiel Boone (Ed. Suma de Letras)



Olá, pessoal!

A resenha de hoje é sobre o livro do TOP COMENTARISTA desse mês. Isso mesmo, vou falar sobre A COLÔNIA do EZEKIEL BOONE, lançado pela SUMA DE LETRAS.

A ColôniaA COLÔNIA
EZEKIEL BOONE
Editora: SUMA DE LETRAS              
Ano: 2016
Nº págs: 272
Gênero: Thriller, Sci Fi

SINOPSE: Nas profundezas de uma floresta no Peru, uma massa negra devora um turista americano. Em Mineápolis, nos Estados Unidos, um agente do FBI descobre algo terrível ao investigar a queda de um avião. Na Índia, estranhos padrões sísmicos assustam pesquisadores em um laboratório. Na China, o governo deixa uma bomba nuclear cair “acidentalmente” no próprio território. Enquanto todo tipo de incidente bizarro assola o planeta, um pacote misterioso chega em um laboratório em Washington... E algo está tentando escapar dele. O mundo está à beira de um desastre apocalíptico. Uma espécie ancestral, há muito adormecida, finalmente despertou. E a humanidade pode estar com os dias contados.

A sinopse de A COLÔNIA me interessou assim que a li, e mergulhar nessa leitura foi algo fora de série! BOONE não jogou aranhas na nossa cara desde o início, sim, elas estavam lá desde o primeiro capítulo, mas não como algo excepcional, e sim como uma descoberta científica, algo pouco provável, mas possível, e isso foi uma das coisas que amei no livro, a explicação científica em torno dessas aranhas. Se são verdadeiras ou não, não me importei, o que me interessou é que me convenceram e serviram para fazer surgir um temorzinho DELICIOSO dentro de mim <3

Uma das coisas mais incríveis que encontrei nesse enredo foi a enorme quantidade de personagens. Em um livro tão fininho, desconfiei quando vi que tanta gente figurava nas páginas, mas de forma incrível, e esta sim inimaginável, BOONE conseguiu fazer com que cada um deles tivesse seu espaço e seu momento de crescer na trama, não deixando ninguém para trás e expondo bastante bem suas reações. Fiquei assombrada com o feito.

As aranhas foram um caso a parte. Adorei os monstrinhos e adorei acompanhar a devastação que elas estavam causando no mundo. Foi de arrepiar! Em cada país, em cada extremo do globo, BOONE expôs o que a infestação estava causando ao planeta e aos habitantes. Nota mil para a tenção criada <3

O final foi magnífico e deixou aquele gostinho de quero mais, porém, quando houve o prenúncio do fim do livro, achei que BOONE correu demais para finalizar A COLÔNIA. Tudo estava bastante perfeitinho e redondo, mas parece que o autor tinha tanta pressa de chegar ao fim que reduziu as páginas finais. Não nego que fui surpreendida pelas últimas duas ou três páginas, mas gostaria que algo mais desenvolvido levassem a elas.


No mais, A COLÔNIA é recomendadíssimo! Adorei e espero que vocês gostem tanto quanto eu <3